Filosofia não é panaceia

postado em: Filosofia | 0

Em muitos grupos que têm “intelectual” por alcunha, o carro chefe dos círculos de estudo — quando não círculos viciosos, muitas vezes — têm sido a Filosofia. Os discípulos reúnem-se diante de textos “sagrados” e ouvem atentamente o desvelar ortodoxo e quase iniciático das mais diversas divagações e devaneios do líder acerca da obra. Se tais comentários são embasados em estudo rigoroso e fundamentado, pouco importa! O importante é que fará eco quando chocar-se com os desejos dos corações dos ouvintes. “O comentário é excelente, fala o que quero ouvir”.

Triste fim é este o da Filosofia! Sequestraram-na! Tornou-se objeto de validação dos escusos propósitos que, de filosóficos, nada têm.

E prosseguem… prosseguem dizendo ser a Filosofia a solução para os problemas da humanidade. Mas não qualquer filosofia, a sua filosofia! O que vem diferente disto, anathema sit!

Não bastava termos que engolir a Filosofia vendida como “filosofia de vida”, “filosofia da empresa” etc., agora é preciso aceitar que ela foi sequestrada para ser a “ambrosia dos escolhidos”, o lugar-comum dos sábios de uma frase só. E que a oferecem para tudo quanto é problema: social, intelectual, moral, espiritual. Vendem, quase sempre, os que nada sabem de Filosofia; vendem os que leram um livro só e já são especialistas; vendem os que conheceram-na ontem, mas que já possuem críticas fundamentadíssimas a Aristóteles embasadas nas “vozes de sua cabeça”.

Mas que problema há com quem quer vender asneiras e caoticidades? Nenhum, não é mesmo?! O problema está em quem compra tudo isto. Aí, meu amigo, é que está a curta e rápida corrida da “vaca pro brejo”.

É triste ter que constatar, no dia dedicado à Filosofia, que ela virou moeda de troca de muita gente ruim, mal intencionada, que oferece-a como o remédio único e último a todos os problemas humanos. É triste saber que nem mesmo a inquietude é permitida, basta “rezar a cartilha”, e adeus! O propósito é vender a cura, mas sequer pensar a doença. Filosofia não é isto!

Filosofia é caminho, é percurso — por vezes pedregoso — rumo à Sabedoria. Filosofia é o amor que põe em marcha: impulsiona e atrai. Filosofia é o deleite do azedume da inquietude. Filosofia é, como rezam os manuais, o “amor da Sabedoria”. Vendem-na, mas nunca querem vivê-la.

Mas afinal, já tem Filosofia para dor de dente?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *